Conjuntura, Dossiê, Polícia que mata também morre

Por que chamá-los de heróis?

Apesar das alegações do ministro serem verdades, ainda sim policiais assumem risco apenas pela escolha da profissão

O Blog Cidadão-SSP veiculou um artigo sobre “Os heróis também morrem” e iniciou o texto com o relato dos fatos sobre a morte do coronel Teixeira, no Rio de Janeiro, agora no final do outubro de 2017. “O que temos percebido, é que o Rio é uma conjuntura peculiar, que sim ela reflete a realidade do país como um todo, mas no Rio, está num grau próximo ao colapso”, afirmou Wagner Soares, fundador do Cidadão-SSP.

“O Rio de Janeiro tem cenários de guerra: ser morto apenas pela profissão que tem, não importando se você se porta bem ou mal, sem tempo para reagir, para se despedir da família”, ponderou Wagner Soares, que vem estudando sobre a natureza profunda do vínculo psicossocial entre a mente do policial e as crenças e práticas da instituição. “Eu não posso entender, como alguns formadores de opinião desprezam o sofrimento dos policiais e de suas famílias, apenas pelo fato de generalizá-los todos como corruptos”.

Apoiado em estudos estatísticos da ONU e do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, Wagner Soares afirma: “É bem verdade, que a polícia brasileira, sobretudo a fluminense (e a paulista), são as polícias que mais matam no mundo, mas ainda sim são também as que mais perdem profissionais em serviço e de folga” [2].

Falar em heróis pode contrastar com as recentes declarações do ministro da Justiça e Segurança Pública, Torquato Jardim, que levantaram uma crise de relações entre o governo federal e instituições públicas do Estado do Rio de Janeiro. Segundo o ministro em entrevista ao Blog do Josias [1] , “Pezão [governador] e Sá [secretário] não controlam a Polícia Militar […] o comando da PM no Rio decorre de acerto com deputado estadual e o crime organizado […] comandantes de batalhão são sócios do crime organizado no Rio“.

>> Leia mais sobre as polêmicas declarações do ministro Torquato e suas consequências <<

15219658_940774069389391_7533871492298354830_n
Sinceramente, digo: todo policial deva se inteirar dessa discussão, sendo tais declarações sobre a corrupção verdadeiras; todos os bons policiais estão sendo enganados, praticamente feito de tolos”, Wagner Soares do Cidadão-SSP. (Entenda o porque)

Com essa fala o ministro Torquato alegou não acreditar na tese que a morte do coronel Teixeira, tenha sido fruto de uma tentativa de roubo frustrada, mas de um acerto de contas. Até onde o Blog Cidadão-SSP pode apurar pelos inúmeros depoimentos sobre coronel Teixeira veiculados na mídia, tratava-se de um profissional ficha limpa, até o limite do que se possa ser limpo para alcançar o posto de coronel fechado no Rio de Janeiro. Portanto, insistimos na questão dos “heróis que morrem”, porque o caso de Teixeira, ficou bem claro (tendo em vista, que ele estava fardado na trágica situação), que qualquer policial, seja um que tenha boa conduta ou não estaria, sujeito a esse tipo de represália gratuita de criminosos.

>> Conheça outras histórias da dor da perda de policiais e porque suas famílias e parentes lembram deles como heróis <<

>> Por que os bons policiais estão sendo feito de tolos e ainda podem ser a próxima vítima? <<


Referências

Imagem de capa: Rio – Enterro do coronel Teixeira, Guarda Fúnebre (Fernando Frazão/Agência Brasil)
[1] DE SOUZA, Josias. Comando da PM no Rio é acertado com deputado estadual e crime, diz ministro. UOL Notícias, Blog do Josias. Publicado em 21 out. 2017. Acessado em 04 nov. 2017. Disponível em https://josiasdesouza.blogosfera.uol.com.br/2017/10/31/comando-da-pm-no-rio-e-acertado-com-deputado-estadual-e-crime-diz-ministro/
[2]  (1) MARTÍN, María. No Rio, a polícia que mais mata é também a que mais morre. El Pais. Publicado em 10 abr. 2017. Acessado em 15 jul. 2017. Disponível em https://brasil.elpais.com/brasil/2017/04/04/politica/1491332481_132999.html
(2)  Fórum Brasileiro de Segurança Pública. Anuário Brasileiro de Segurança Pública. Ano 10. São Paulo: FBSP, 2016.
(3) ONU. UNODC Global Study on Homicide 2013: trends, contexts and data. Viena, Áustria: UNODC, 2014. Disponível em https://www.unodc.org/documents/lpo-brazil//Topics_crime/Publicacoes/2014_GLOBAL_HOMICIDE_BOOK_web.pdf
(4) CHADE, Jamil e TAVARES, Vitor. ONU diz que polícia brasileira mata 5 pessoas por dia. [On-line]. Estado de São Paulo.  Acessado em 15 mar. 2017. Publicado em 10 mar. 2016. Disponível em http://brasil.estadao.com.br/noticias/geral,onu-denuncia-impunidade-em-crimes-cometidos-pela-policia,10000019846
Anúncios