Precauções para Profissionais de Segurança Pública: Biossegurança durante crise do Coronavírus

Nota Importante:
França e Estados Unidos estão nas fases de teste e aprovação de um simples medicamento contra a malária que tem eficiência acima de 70% dos casos no tratamento contra o novo coronavírus. A China teve condições de controlar o surto, ainda testando a eficácia do fármaco.
Fonte: Exame | RFI França

Mas as precauções continuam, até que os testes estejam
conclusos e as unidades de Saúde abastecidas com o medicamento.

Aqui reunimos várias informações que podem lhe ajudar.
Profissionais de segurança e da saúde são muito requisitados nesses momentos de crise. Mas procedimentos de biossegurança são mais típicos entre os da saúde e da defesa civil. Os policiais, guardas e outros precisam usar os equipamentos, precisam ter contato com pessoas suspeitas de estarem infectadas, mas simplesmente não sabem como agir.

Breve reflexão: numa crise, é preciso se adaptar a novos cenários rapidamente

A imagem de capa selecionada ilustra muito bem para o que devemos nos preparar: vemos um policial italiano de máscara e luvas e um bombeiro com a lista mais adequada de paramentação. Precisamos ter a clara noção de que a crise vai se perdurar por mais algum tempo.

E as medidas de precaução em biossegurança para a atuação policial devem seguir os parâmetros usados no setor de Saúde. Existe uma medida de equilíbrio, que deve ser pensada rápida: o quanto a Segurança Pública consegue captar dos procedimentos da Saúde e quanto a Segurança precisa mudar de foco e estratégias para não se ver paralisada.

Ou seja, estamos falando de um setor com quase meio milhão de profissionais, com seus próprios costumes, que precisam rapidamente mudar pequenos gestos e comandos que precisam planejar de forma tática e estratégica, para uma ameaça diferente que requer outra base de conhecimentos. Já que um único policial infectado deve obrigar o afastamento de toda uma equipe, daquele turno, e exigir a descontaminação do local. Para que isso não vire uma “bola de neve”, precisamos ensinar os procedimentos e oferecer os recursos.

Mas esse debate é algo que vamos tratar depois, agora queremos lhe dar dicas práticas:

O que você vai encontrar aqui nesta postagem:

Segue uma entrevista da capitã Patricia, que já colaborou conosco anteriormente, você tem a versão escrita e o áudio. Em seguida terá as diversas publicações de protocolos e orientações feitas pelos próprios órgãos de segurança. Destacamos o vídeo do Corpo de Bombeiros Militar de Goiás, como um dos mais elucidativos.

Você, ainda, terá acesso a procedimentos de paramentação simples, a partir, daquilo que se ensina nas formações aos profissionais de saúde, tais como técnicos de enfermagem. Por fim, vamos debater sobre mais algumas ideias e contribuições.


Entrevista: capitã Patricia Lima, da Polícia Militar de Alagoas

Na verdade, o policial militar deve ter alguns cuidados antes de ir para o serviço, durante e após. Não apenas quando o contato de maior risco ocorrer.

Patricia Lima, capitã da Polícia Militar

Concluinte de Medicina e oficial combatente da PMAL, Patricia Lima traz algumas precauções para os policiais e demais profissionais de segurança durante a crise sanitária.

Quais cuidados o policial deve ter em ocorrências com pacientes suspeitos?

Na verdade, o policial militar deve ter alguns cuidados antes de ir para o serviço, durante e após. Não apenas quando o contato de maior risco ocorrer.

Cuidados antes de ir trabalhar? Quais seriam?

Antes de ir para o serviço, primeiro ele deve levar sua farda na bolsa separada e retirar todo tipo de adorno. O que ele quer usar em casa, não deve ir com ele para o serviço. O que ele quer usar no serviço, deve ficar no seu armário no quartel ou na delegacia. Ou, então, no porta mala do seu carro. Mas não deve fazer o intercâmbio de artigos de adorno e vestuário de um ambiente para o outro.

E durante o serviço quais são as precauções?

Usar os equipamentos de proteção individual, além das medidas preventivas: lavagem das mãos com álcool em gel e praticar a etiqueta respiratória. E, após o serviço, o profissional deve realizar a retirada dos equipamentos da forma correta. (Explicamos sobre essa etiqueta no fim da entrevista).

Existe uma forma correta de retirar o EPI, como assim?

Se usar e depois retirar de qualquer forma, não fez nada. Vai acabar se contaminando na retirada. Lembre-se, a forma correta de retirar a luva e fazer o descarte, é aquela em que você não vai se expor, justamente, à parte do EPI que teve contato com as superfícies. Já a máscara você retira pela parte de trás e não pela face da frente. Porque, justamente, a face dianteira é onde se presume está contaminada com as gotículas. Então, retire pelo pelo elástico, entendeu? Retire pela fita. A última coisa é a lavagem das mãos. 

Quando diz, usar EPI, seria máscara e luvas?

Os equipamentos de proteção individual para esse tipo de situação é uma lista um pouco maior (verifique no fim da entrevista). Estão falando em máscaras e luvas, não seriam apenas esses, esse é o mínimo do mínimo. Ou seja, sem isso nem dá para começar. Porque se o profissional se expor sem as precauções e for constatado os primeiros sinais ou contato com paciente infectado, todos os demais que ele teve contato direto terão que ser afastados. Podemos nos dar ao luxo de ficar sem esse contingente? Acho que não. Então, nem adianta no afã de querer servir ou obrigar que façam atuação sem o mínimo de precaução, pois isso colocará toda a tropa em risco.

A capitã Patricia ainda nos falou de outras recomendações. Quanto aos cuidados com a farda usada e sua lavagem. 

É aconselhável, também, que na hora de levar a farda usada para casa, novamente separe em uma bolsa a parte e, quando chegar em casa, lave ela separada. Se vai usar a mesma máquina ou tanque que se lava as roupas da família, aí vai depender da disponibilidade prática. Se puder ser outro local, é melhor. Aí, ao lavar use sabão normal, mas ponha uma tampinha de álcool. Aproveite e lave logo aquilo que pode ir junto: cobertura (gorro ou boina), cinto, capa do colete. Se não puder levar esses acessórios para a lavagem, então faça a desinfecção, com sabão e álcool. É de todo o material, viu!? Capa de colete, coldre, cinto de guarnição, coturno (ou outro calçado). Na verdade, sobre o calçado, recomenda-se que nem leve para dentro de casa, se for preciso, ou então execute a lavagem do solado com água e sabão. Tem máquina de lavar que tem a função de água quente, se tiver use.

Sobre o asseio pessoal: “é preciso tomar banho, antes do contato com os parentes e os objetos de casa”.

Chegou em casa, não faça mais nada, tem que tomar banho. Nem pare para ter contato com seus parentes. Na verdade, se pudesse tomar esse banho antes de ir para casa seria ideal. Pode tomar banho no local de trabalho, se não puder, diga aos seus filhos: “agora não, espera eu tomar banho primeiro”. Então essa: de chegar e se jogar no sofá ou na cama com as roupas que usou na rua, não pode de jeito nenhum.

Mais alguma orientação? Em casa, algum procedimento?

Se for possível e evitar contato próximo com familiares, principalmente, se você realmente teve contato com caso suspeito. Beijo, abraço, a princípio, não se recomenda. Não há nenhuma recomendação para algum tipo de isolamento dentro de casa. Vou verificar quanto a pessoas com quadro de doença ativa. Não lembro desse tipo de recomendação, mas caso você realmente esteja comprovado como infectado, ou se teve contato, no seu serviço, com pacientes que têm um caso suspeito ou confirmado, você pode ter a precaução ao chegar em casa utilizar outra máscara, para poupar os demais do seu convívio.


Agradecemos a contribuição da Patricia Lima. O Blog CidadãoSSP coletou algumas outras informações que podem lhe ajudar. A capitã falou sobre uma lista mais completa de equipamentos, numa rápida pesquisa observamos que muitos países (tais como Espanha e Estados Unidos) estão com dificuldades de disponibilizar esses paramentos para os profissionais de segurança. Mas o que concluímos, inclusive com a ajuda de Patricia Lima, é que se não tem a lista completa para todos. Ao menos, as guarnições e equipes que vão ser responsáveis pelo cumprimento das medidas sanitárias coercitivas precisam de uma logística maior e de treinamento, ainda que breve.

A equipe do CidadãoSSP vai compilar as diversas orientações e produzir uma cartilha e imagens para rede social. Você tem alguma contribuição a fazer, quer propor uma correção? Se você é membro de algum comando de corporação da segurança pública e quer elaborar um documento técnico, estamos a sua disposição: cidadaossp@gmail.com


Lista de equipamentos de proteção individual

Esta é a lista fornecida pela Patricia Lima, são os EPI’s adequados para o contato direto com pacientes infectados:

  • Máscara N95 ou PFF2;
  • Gorro (touca);
  • Pró-pé;
  • Jaleco descartável de manga longa e pulso sanfonado;
  • Óculos de proteção;
  • Luvas de procedimento.

Etiqueta Respiratória

O que é “etiqueta respiratória” que está sendo incluída como medida de prevenção? Consiste em medidas simples, que foram amplamente difundidas nos surtos de H1N1, adaptamos as orientações para a linguagem e atividade se Segurança:

  • Ao tossir ou espirrar cobrir a boca com o antebraço. Geralmente, usamos a palma das mãos, não se deve fazer isso.
  • O preferencial é usar um lenço e fazer seu descarte logo em seguida, por isso não é para usar lenço de pano reutilizável, tem que ser descartável.
  • Durante a ação efetiva, não se deve por a mãos nos olhos, nem no nariz, não é hora de ficar coçando essas partes.

Alguns links sobre etiqueta respiratória:
Governo Região Autônoma da Madeira (Portugal)
Hospital Sabará (São Paulo)
Globo.com (#GQ)


Protocolos e Dicas dos órgãos de Segurança

Corpo de Bombeiros Militar de Goiás

O CBM-GO trouxe algumas importantes precauções, mais pertinentes ao tipo de trabalho deles, mas que também servem aos demais órgãos de Segurança Pública. Encontra-se no Instagram, segue o link do vídeo com explicações do sargento Da Costa, que também é medico.

Polícia Militar de Minas Gerais

A equipe da 8ª Região de Policiamento Militar de Minas Gerais preparou ótimo material sobre medidas de biossegurança.

Polícia Militar do Distrito Federal
Polícia Militar da Bahia

Até agora, de todo material que recebemos, esse protocolo de atuação do Comando de Policiamento da Região Sudoeste da PMBA é o que mais detalha a efetiva atuação nas ocorrências de apoio à atuação de polícia sanitária, ou seja, no contato direto com pessoa infectadas e tendo que impor ações de controle.


Procedimentos de paramentação

Assim que tivermos a orientação específica para profissionais de Segurança, postaremos com destaque aqui nesta sessão. Por enquanto, vamos oferecer alguns vídeos usados na formação de profissionais de saúde.

Como colocar e retirar o equipamento de proteção individual

Procedimento para EPI mais completo para risco da maior nível
Precauções padrão e adicionais

Os direitos dos profissionais de saúde ante a pandemia de COVID- 19
Os direitos dos profissionais de saúde na esfera trabalhista e administrativa: garantias …
Prevenção versus imediatismo: na Saúde e na Segurança Pública
Como médica e oficial de polícia, consigo ver hoje os problemas que …
Coronavírus é coisa pequena? O quanto devemos nos preocupar com isso?
Quero lhe convidar e analisar os fatos por uma visão pouco convencional, …
A linha de frente da crise: Saúde e Segurança Pública
Nesta quinta-feira, dia 09.04.2020, às 20h teremos uma live no CidadãoSSP. Os …

Anúncios

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.